A perspectiva de Hoag

(TEXTO EM DESENVOLVIMENTO)

Objeto de Hoag

O Objeto de Hoag é um aglomerado galáctico localizado a uns 600 milhões de anos-luz daqui, na Constelação da Serpente. O formato simétrico circular, onde várias estrelas anãs azuis se posicionam em ao redor de um grande objeto luminoso, não dá aos cientistas nenhuma pista de como aquela formação se desenvolveu, mesmo àqueles acostumados a avaliar galáxias resultantes do choque entre outras galáxias.

No livro “O Universo Inteligente”, de James Gardner, ele coloca em termos hipotéticos que, se tiver que existir vida inteligente no universo além de nós, o Objeto de Hoag tem alguma possibilidade de ser uma formação arquitetada por inteligências altamente desenvolvidas.

Alheio às conjecturas e dúvidas do assunto, gosto de lembrar do papo que tive sentado num botequim supermoderno em Hoag, discutindo, entre outras coisas, sobre o planeta Terra, que aparecia numa imagem holográfica suspensa no centro de nossa mesa:

– E aí, já foi lá, Etnop’an? Perguntei eu a meu novo amigo com o mesmo orgulho esperançoso de quando pergunto por aqui de Fortaleza, minha terrinha.

– Ainda não, estou esperando tirar umas férias. Ir em missão nunca é legal. Esse negócio de ficar fazendo relatórios e experimentos tira o prazer de qualquer viagem, respondeu Etnop’an.

Gendé’iman, querido amigo de longa data cuja carta publiquei no meu livro Entranhas em 2000, já bastante livre dos freios da diplomacia em virtude dos dois copos da maravilhosa cerveja cintilante (não é nome da marca, é o jeitão dela, mesmo), resolveu comentar:

– Olha, Ricardo, eu sei que você se orgulha das praias, do clima, do sol e tudo o mais do seu planeta, mas vou te contar uma coisa… ô povo enrolado vocês têm por lá…

Sabendo do meu genuíno temperamento autocrítico, e percebendo que eu já estava liberando o sorriso para receber pacificamente as pedradas, ele continuou:

– Nesse ano de 2014 não se falou em outra coisa lá a não ser em falta d’água, gente decepando gente, gente defecando incessantemente nas praias, regiões superdesenvolvidas separadas por muros invisíveis de outras muito subdesenvolvidas, de onde se quer fugir ao invés de desenvolver… Você sabe disso, Ricardo… E, pior, lá tem um monte de gente que diz que nada daquilo é problema dele, mas só anda de carro blindado, bota um monte de equipamento de segurança na residência para proteger os filhos, achando que vive numa ilha … Olha, num planeta pequerrucho (e fez sinal de miúdo com dois dos seis dedos), de clima e bioma espetaculares, com ¾ de superfície coberta de água, com os avanços tecnológicos caminhando a passos largos, eu não entendo como é que ficam batendo tanto a cabeça do jeito que batem… E riu também, enquanto o copo vinha-lhe, sozinho, mais uma vez à boca, sem precisar nem se reacomodar na poltrona…

Todo mundo sabe que em mesa de bêbado não se resolve nada. Taí o Lula e o Jânio Quadros que não me deixam mentir… Assim, não vou ficar aqui repetindo toda a conversa, mesmo sabendo que os cachaceiros de plantão, os viciados em tecnologia e as moças curiosas em saber como se vestem as hoagueanas estejam interessadíssimos em saber como fabricam a cerveja cintilante, que tipo de ressaca ela dá, como o copo flutua sozinho e muito mais de Hoag. Levaríamos dias e dias explorando deliciosamente a metade superficial e tola da minha experiência lá. O problema é que voltei para cá com um misto de envergonhado e também bastante estimulado com a ideia de mudanças.

Acreditem-me, olhando a Terra da perspectiva de Hoag as diferenças abismais da qualidade de vida entre as diversas regiões aqui me envergonham muito. Ok, em Hoag eles também têm regiões com hábitos culturais distintos entre si, o que pode algumas vezes parecer ao mais desavisado que uma região viva melhor que outra, mas a verdade é que todos estão satisfeitos com as diferentes classes sociais resultantes da diversidade das ocupações das pessoas, e com hábitos culturais de sua própria região.

O desenvolvimento geral da vida em Hoag, desde os seus primórdios, foi muito distinto da Terra. Por condições específicas da atmosfera e da geologia locais, os vegetais comestíveis se desenvolveram em maior diversidade e abundância, permitindo que o metabolismo para extração de proteínas fosse muito menos complexa que aqui na Terra. O primeiro resultado foi que, embora a disputa por espaço naturalmente levasse a conflitos, a concepção de predador tornou-se muito diferente do que conhecemos hoje. A ausência da disposição ao conflito carnal permitiu que muito antes de nós as sociedades se tornassem mais cooperativas entre si, acelerando o desenvolvimento geral. Ao longo do tempo passaram por muitas experiências, inclusive a tentativa de subjugação por invasores de outras galáxias, as quais tiveram que se render ao poderio tecnológico e filosófico de Hoag.

Olhando de lá, de tão longe, da perspectiva de Hoag, me dei conta do quanto somos pequenos e atrasados. E solitários em nossa ignorância.

A verdade é que hoje em dia quando me chamam de lunático acho até graça…

Anúncios